Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sábado, maio 19, 2007

Pagadoras de promessas



Fui a Fátima. Confesso que estive lá. Nem foi, de resto, a primeira vez. É verdade que não vou lá fazer nada. Não acredito naquilo e nem consigo ser boa companhia. Enfim, sempre sirvo de motorista para lá chegar e de lá sair. É uma função nobre.


Mais uma vez admirei-me com a convicção das pessoas de que Deus precisa que lhe peçam por favor.

A praça parecia quase vazia, mas esse é o problema dos lugares muito amplos que dificilmente se conseguem encher com regularidade. Estariam lá alguns milhares de pessoas, mas pareciam poucas num espaço daquelas dimensões.

O negócio das velas ia de feição. Continuam-se a pagar promessas em grande número.

Os negócios à volta das promessas já ultrapassam a imaginação dos mais expeditos. Já surgiram até os peregrinos profissionais, com sítio electrónico montado e tudo. Vejam aqui.

Duvido é que os peregrinos profissionais se sujeitem ao clímax do sacrifício que é o circuito do “joelhódromo” que continua a ser bastante utilizado. Mesmo de joelheiras (que as lojas de Fátima vendem), atravessar a imensa praça, dar a volta à Capelinha das Aparições e regressar ao ponto de partida, deve ser um exercício difícil e doloroso. Reparei que só as mulheres se sujeitam àquilo. Numa hora de observação, vi apenas um homem ajoelhar-se.

Não falei com nenhuma daquelas pessoas que se arrastavam por ali, mas estou convencido que estariam a pagar promessas. E se estavam a pagar, seria porque o favor foi concedido. Ou será que estavam a expiar pecados?




9 comentários:

inominável disse...

como as tuas fotografias deixam ver os homens tb lá estao mas vao... ao lado!!!!

Platero disse...

Ainda há dias li uma pequena entrevista a uma pagadora de promessas que ia a Fátima, e que tinha feito uma pela saúde do marido, o qual teria falecido, mas ela continauva a ir a Fátima.

Qual teria sido a promessa?

Um abraço

isabel victor disse...

Impressionam-me as pessoas ...

Tudo o resto é criação ! Alíás tudo na vida é assim.

Mas, volto a dizer ... impressionam-me as pessoas

___________ MUITO ____________

acho que sou movida pela fé dos outros ...

este ano tb me apeteceu ir a Fátima

Abraço

Repórter disse...

Acredito nas promessas. É a fé do ser humano.
Não estou de acordo com a forma como algumas delas são pagas.
E o comércio agradece.

Isabela disse...

Tenho um respeito enorme pelas pagadoras e pagadores de promessas. Pelas pessoas que se ajoelham e arrastam aos pés de uma entidade, Deus, a Senhora, que supostamente as ajudarão. O problema de Fátima não são os peregrinos, gente que vai por bem, gente que sofre, que pede, mas aqueles que não estão por bem, que exploram as necessidades morais e as carteiras.
Eu vou algumas vezes a Fátima com a minha mãe, e portanto conheço o lugar. Mas eu já perdi a inocência para me ajoelhar. Preferia não ter perdido.

Carlos disse...

Assim como a Isabel "disse" eu também já perdi a inocência, o que também é uma pena (bota pena nisso ) Moro em um país rico com um povo pobre e explorado que nada mais lhe resta do que acreditar em alguma "coisa" superior para lhe dar esperança . Um povo que, em nome da fé deixa milhões de dolar's em igrejas do todos os tipos . Não é da fé e ignorância do povo que tenho ódio , tenho ódio é dos padres, pastores e também de advogados e médicos que, tiram dinheiro dos coitados justamente nas piores horas, a hora em que eles têm lágrimas nos olhos . Desculpem por algum erro . Brasileiros e Portugueses não falam nem escrevem a mesma lingua. Risossss

-pirata-vermelho- disse...

Estás confessado e absolvid,meu filho... mas não voltes!
Não voltes a prevaricar nem voltes lá - é pecado.

Matvey disse...

E já ali na Marcha dos Pinguins o resultado de uma entrevista imaginada com o Pagador de Promessas...

Eric Blair disse...

uns fundamentalistas esses árabes, portanto...

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores