Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











quarta-feira, junho 20, 2007

Clochard

Nunca se levanta antes das 7 da manhã. Mas depois dessa hora torna-se dificil conciliar o sono com o bulicio matinal da cidade. Deita-se no ultimo banco de pedra da estação. Imagino que ninguém fale com ele excepto, talvez, os da mesma condição.

Para quem procura casa, aqui, a “désocialisation’’ não é uma noção distante nem improvavel. E’ que os preços das casas raiam o absurdo. Apartamentos infimos, T0 ridiculos, não custam menos de 600 € por mês. Uma casa para uma familia de 4 pessoas parece ser algo luxuoso e quase inacessivel ao trabalhador comum. Os senhorios, aqui, não pedem menos de 3 meses de renda adiantados, querem ver os comprovativos de pagamento de impostos e não aceitam trabalhadores com contratos a termo. Ou seja, é facil ficar sem casa e passar a dormir na rua.

11 comentários:

isabel victor disse...

Há cerca de dois meses, vi imensos, de todas as idades,em Paris, a dormir sous les ponts de la Seine ...

Muitos ...
Demais.

LA disse...

Eu bem te disse que ias descobrir que os defeitos de França são os mesmos de Portugal, apenas diferem no grau.

Ana-Catarina disse...

Vendo por este ponte de vista...quem me dera viver em paris. Em Luanda, apartamentos de apenas um quarto podem chegar a custar 2.000 USD/mês, com obrigatoriedade de pagamento no mínimo de 6 meses, e como necessidade de obras grandes.
Apartamentos com mais de 1 quarto, isso já nem se fala...

Maria disse...

"Quem me leva os meus fantasmas", uma das letras mais fabulosas que tenho ouvido cantar (e não sou fã de Abrunhosa). E eles vão ficando. E nós também...

C Valente disse...

ter cas aé um luxo, que muitos ainda não se deram conta.
Neste caminho, neste país, a miséria bate á porta, e não pede licença para entrar

Klatuu o embuçado disse...

Mas o Sena continua com caudal suficiente para levar a merda para longe... certo?

França é cada vez mais um barril de pólvora... a contradição entre a propaganda cultural da França das liberdades, consciência da Europa, etc, e a realidade... geram o fermento de uma interessante nitroglicerina política.

Abraço.

Isabela disse...

Eu não tenho orçamento para viver em Lisboa. Ter casa em Almada já me custa mais de um terço do meu rendimento mensal. Não há em Paris zonas dormitório, mais baratas, mas com alguma qualidade de vida? Tenho dois amigos que vivem numa zona boa, em Paris, mas a casa é de uma amiga, portanto, com condições de aluguer muito especiais. Mas eles contaram-me que é assim, de facto.

jawaa disse...

No nosso país, até nas cidades ditas de província proliferam os sem-abrigo, como emergem cada vez mais fortes os super-ricos...

Dina disse...

Por cá também temos a estação do Oriente. Nunca me tinha apercebido disso mas num dia do concerto dos Il Divo fui obrigada a deixar o carro no parque do Oriente e quando o fui buscar já perto da meia-noite vi vários que usavam os seus bancos como cama. As razões devem ser muito parecidas...

Cristina disse...

este é que é o dono do banco.

ISA disse...

consegue ser pior do que cá, extraordinário...

AddThis

Bookmark and Share

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores