Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











segunda-feira, janeiro 18, 2010

Tarde e a más horas


Agora que aconteceu o irreparável, somos todos solidários com o Haiti. Antes, quando os haitianos eram só pobres e explorados pelas mais infames ditaduras, ninguém lhes ligava.
Morreram sabe-se lá quantos, falam em 100 mil… porque as casas lhes caíram em cima com o tremor de terra. Casas mal feitas, com mais areia que cimento, sem requisitos técnicos para zonas sísmicas.

Noutros locais mais afortunados, o mesmo sismo não teria provocado mais do que um pequeno incómodo. Na Califórnia ou no Japão, sismos de grau 6 ou 7 da escala de Richter já não estragam grande coisa. Cai uma ou outra empena e só os muito azarados levam com um tijolo em cima. Em países pobres, daquela pobreza imensa e endémica, morrem aos milhares.
E, agora, já há dinheiro para ajudar, para dar de comer, para criar infra-estruturas, escolas, hospitais… dinheiro que antes nunca houve. E, por isso, o povo continuou ignorante, passivo, marginal, rebanho ao dispor da ganância dos canídeos selvagens a que costumamos chamar lobos. O subdesenvolvimento é tudo isto.

6 comentários:

Fada do bosque disse...

Realmente Carlos... não podia ser mais realista e acutilante. :(

Cris disse...

Excelente reflexión, totalmente de acuerdo.
Saludos.

Enolough disse...

causa-me espécie ver "as pessoas" com dor de mundo e cheias de tristeza quando até já foram de férias à Rep.Dominicana ali ao lado onde ficaram instalados em hotéis com ar condicionado e piscina, rodeados de taipais que escondem o país que não aparece nos postais.

e agora dói a toda a gente porque na TV aparecem histórias de Sr.A e menina B soterrados ao som de uma peça para piano em dó menor...

entretanto já ninguém liga aos confrontos de ontem em Cabul.

[depois há o outro problema, o da burocracia. estão à solta 3 mil prisioneiros para 2 mil polícias mas o governo tarda em autorizar uma força estrangeira a instaurar a ordem; estão a chegar alimentos mas não saem do porto/aeroporto porque não há coordenãção, etc.]

PQ disse...

É verdade, deixa-se crescer o tumor e quando ele destrói o hospedeiro, aqui-d'el-rei que o coitadinho está nas ultimas.

lenço de papel; cabide de simplicidades disse...

Estou de acordo consigo, mas o problema tb é de quem atribui o Nobel ao Obama, não é só do povo de todo o mundo que lê a "Maria" ou congéneres.

CNS disse...

Este seu texto é um dedo na ferida. Disse tudo. A mim resta-me dizer: Excelente!

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores