Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sábado, novembro 21, 2009

Mónica says...

As portas de entrada da gripe são apenas as narinas e a boca / garganta.Numa pandemia desta natureza, é quase impossível evitar a entrada em contacto com o H1N1,a despeito de todas as precauções. O problema não é tanto o contacto com o H1N1, mas sim a sua proliferação. Enquanto você ainda estiver saudável e não apresentar quaisquer sintomas de infecção por H1N1, a fim de evitar a proliferação, o agravamento dos sintomas e o desenvolvimento de infecções secundárias, algumas medidas muito simples, não totalmente valorizadas na maioria das comunicações oficiais, podem ser praticadas (em vez de se concentrar em como fazer stock de N95 ou Tamiflu):


1. Lavar as mãos com frequência (bem destacada em todas as comunicações).


2. Evitar o contacto da cara com as mãos. Resistir a todas as tentações para tocar em qualquer parte do rosto (excepto para comer ou tomar banho).


3. Gargarejar duas vezes por dia com água morna e sal (use Listerine ou hidrogênio Peróxido se não confiar no sal). O H1N1 leva 2-3 dias após a primeira infecção na garganta / cavidade nasal para proliferar e se desenvolverem os sintomas característicos.Simples gargarejos previnem a proliferação. Numa pessoa saudável, Os gargarejos com água salgada têm o mesmo efeito do Tamiflu sobre uma uma pessoa infectada. Não subestime este simples, barato e poderoso método preventivo.


4. À semelhança do passo 3 limpe as suas narinas, pelo menos uma vez por dia, com água morna e sal, ou água oxigenada. Nem todos podem ser bons em Jala Neti ou Sutra Neti (medidas ( asanas de Yoga excelentes para limpar as fossas nasais), mas assoar o nariz suavemente, uma vez por dia e limpando ambas as narinas com cotonetes embebidos em água morna e sal é muito eficaz na redução da carga viral.


5. Aumente a sua imunidade natural, com alimentos ricos em vitamina C (Amla Phyllanthus emblica) e outros citrinos. Se precisar de um suplemento de vitamina C, certifique-se de que ele também contém zinco, para aumentar a absorção.6.Beba o máximo de líquidos quentes (chá, café, etc.). Beber líquidos quentes tem o mesmo efeito do gargarejo, mas no sentido inverso. Os líquidos lavam os vírus que proliferam da garganta para o estômago, onde eles não podem sobreviver, multiplicar-se ou fazer qualquer mal.

8 comentários:

Manuela Araújo disse...

Tão simples de prevenir (excepto essa da água com sal)! Já circulam tantos e-mails com os métodos de prevenção, mas penso que a sua "extensão" desencoraja a leitura. Aqui está claro e simples.
Já agora, aqueles desinfectantes de gel com álcool dão cabo da pele. Lá no trabalho usei após o "pica" digital durante um tempo, mas já desisti, as mãos ficaram uma desgraça.
Se puder evitar com coisas simples, melhor. Citrinos já como todo os dias. Vamos ver se resulta.

Fada do bosque disse...

Pelos vistos a vitamina D também é muito importante:

podem ter deficiência de uma vitamina essencial para a saúde óssea e que poderia impedir a o vírus H1N1 da gripe suína e da gripe sazonal, asma, eczema de inverno, infecções respiratórias e poderiam ajudar prevenir o câncer, doenças auto-imunes como a esclerose múltipla, diabetes tipo 1, certas doenças infecciosas, infartos do miocárdio e muitas outras doenças graves.

Quando subgrupos da população são consideradas, dependendo de qual das muitas definições razoáveis de deficiência são aceitas, o quadro é ainda mais ameaçador. Por exemplo, um novo e importante estudo do Hospital Infantil de Boston descobriu que cerca de 80 por cento das crianças hispânicas e 92 por cento das crianças negras podem ser deficientes dessa vitamina.

Estamos falando de vitamina D, também chamada de vitamina do sol e muitas vezes considerado o nutriente do ano, se não o da década. Seu impacto na saúde humana pode ser visto pelo que acontece quando alguém é deficiente na vitamina D. Eles correm o risco do que é chamado de raquitismo nas crianças e osteomalácia em adultos.

Leia mais em:

http://www.anovaordemmundial.com/2009/11/baixos-niveis-de-vitamina-d-esta-ligado.html

Fada do bosque disse...

Quanto ás cotonetes vou contar uma engraçada: fui com a minha filha p ao médico de família, pois deixou de ouvir de um ouvido. Fez um exame rápido e disse:- não podes limpar os ouvidos com cotonetes, pois empurra a cera para dento, dando origem a tampões, que é o caso... limpas apenas o interior da orelha com a toalha.
Ao que respondi - eu sei, pois todas as caixas de cotonetes, têm no rótulo a letras minúsculas, "não introduzir no ouvido nem nas narinas".-Ai diz?!- pergunta o médico perplexo- Alguém me pode explicar para que serve essa merda?- disse ele com um ataque de riso! :))

Dário Cardina Codinha disse...

Manuela,

O álcool é bom para desinfectar as mãos, sim. Previne a passagem de vírus e bactérias para outras pessoas. Vitamina C não previne como o álcool, ou pões sumo de laranja nas mãos? São prevenções diferentes. Uma previne a transmissão e outra previne o contágio.

Motim disse...

A Fada do Bosque tem razão, a vitamina D é muito importante para proteger de qualquer gripe, principalmente da H1N1. Já comprei os suplementos. São naturais, não engordam as farmacêuticas e não têm efeitos secundários!

Fada do bosque disse...

Dáriozinho

A Manuela fica com as mãos todas gretadas com o álcool, assim como eu, é hereditário... não dá para aguentar essas dores quando se tem de trabalhar. São piores que frieiras, ou lá como se chamam. E agora? :)

Monica disse...

Dr. Oz says ... Monica just makes foward! ;-)

Bjs oxigenados!

Manuela Araújo disse...

Dário
Por acaso sabia que o álcool é um desinfectante, acho que não é preciso ser-se cientista para isso :) mas obrigada na mesma. Não, não lavo as mãos com citrinos, não me parece muito adequado! Eu disse que os como, acho...
Também disse que não gosto do efeito que o álcool faz à pele... prefiro lavar com água e sabão (e não com citrinos).

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores