Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sexta-feira, abril 17, 2009

Pagar para trabalhar


A Groundforce é a empresa que assegura as operações aeroportuárias em terra, nomeadamente o embarque de passageiros e carga, abastecimento de aviões, etc.
Apesar da crise, acredita-se que no próximo Verão haverá, como de costume, um pico no tráfego de passageiros e carga no aeroporto de Lisboa. Assim, a empresa prepara-se para enfrentar os meses estivais, assegurando que vai ter pessoal suficiente em número e qualificação. Para não ter de contratar directamente mais funcionários, a Groundforce vai recorrer ao outsourcing. Dizem-me que contratou a Adecco, uma empresa que fornece mão-de-obra temporária. Mas, para as tarefas que se executam no aeroporto, é preciso dar formação a esse pessoal temporário. Vai daí, a Adecco abriu inscrições para uma acção de formação. Os formandos pagam mil euros pelo curso, sem a garantia de serem contratados. E, se forem contratados, já sabem que tudo começa em Maio e termina no Outono. Ou seja, terão pouco tempo para rentabilizarem os mil euros empatados no curso de formação. É quase pagar para trabalhar.

1 comentário:

AGRIDOCE disse...

Estamos a chegar a um momento em que, neste mundo altamente evoluído e civilizado e económica e finaceiramente desenvolvido, com valores éticos e morais à prova de qualquer risco, será uma sorte muitos irem ocupar o tempo a fazer alguma coisa, mesmo que pagando para o fazer, em vez de ficarem em casa a coser meias e a preparar o almoço e jantar... com água.

E coitados dos administradores e empresários, quanto trabalho terão para poder proporcionar tal benesse, sem tirarem uma ponta de proveito.

A coisa anda mesmo preta!

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores