Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











terça-feira, outubro 03, 2006

Capitalismo medíocre

Em vez de despedir, reduzir os salários de todos os trabalhadores, é o que propõe a administração do jornal Público. O jornal não dá lucro e o homem mais rico de Portugal não parece disposto a continuar a ser bom samaritano…
Mais uma vez, fica à mostra a total ausência de percepção do papel social de um jornal. Os patrões da comunicação social apenas pensam no lucro… quando um jornal, uma revista, um canal de rádio ou televisão têm de ser encarados muito para além do negócio da venda de papel ou de espaço publicitário… implantar um órgão de comunicação social devia obrigar a um compromisso social. Um jornal não é uma fábrica de aglomerados, sr.Belmiro…

Ainda assim, a proposta de reduzir salários, segundo o que li na Lusa, parece-me ser o mal menor… mas preferia ter lido que o empresário e o director do jornal tinham acordado numa nova estratégia expansionista, que tinham decidido partir à conquista dos milhões de pessoas que, todos os dias, olham para o jornal no escaparate dos quiosques e não o compram…
O Público não vende o suficiente, parece… mas é, de facto, o jornal de referência para muitos de nós. É verdade que isso acontece numa lógica de exclusão de partes… não havendo melhor, contentamo-nos com aquilo… o que só reforça a ideia de que o Público tem muito caminho para andar, sr.Belmiro.

Por este andar, o jornal corre o risco de passar a ser feito pelos amiguinhos do director e pelos afilhados do patrão, os únicos que serão protegidos nesta fase de escolher os dispensáveis. Nunca foi o melhor critério de selecção de recursos humanos, mas é o mais usado...

4 comentários:

para mim disse...

Será que quanto à redução dos salários o exemplo virá de cima? Acaso o director irá dar o exemplo?

Ana Afonso disse...

Ola Carlos
Infelizmente ... grande verdade!!
Obrigada pelo mail :)
Abraços e sorrisos
ana afonso :)

Soraia disse...

De facto isto é Portugal... O Portugal que trata os profissioais de comunicação como meros operários... O Portugal que prefere uma notícia barata a uma boa notícia.
É pena.. talvez por isso tenha vindo para África. Sinceramente sinto-me mais útil por aqui agora.

Denudado disse...

"Quando o mar bate na rocha, quem se lixa é o mexilhão". Neste caso do Público, o "mexilhão" é que paga a concorrência feita pelos jornais gratuitos. Os Belmiros, Balsemões, Jacques Rodrigues e quejandos (a "rocha") querem lá saber! Eles não passam de meros vendedores de papel.

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores