Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











segunda-feira, outubro 30, 2006

O penhor

Olhamos para o Brasil e esquecemos que Lula é, apenas, o terceiro presidente eleito democraticamente, por voto directo e universal. É bom que o próprio Lula não se esqueça disso. Ele tem que dar certo porque, se não der, acaba por fornecer excelentes pretextos aos seus inimigos de sempre: a direita reaccionária e militarista.
Na hora da vitória, no entanto, Lula falou coisas reveladoras… “"Vamos fazer um segundo mandato muito melhor” , um promessa a tentar fazer esquecer as inúmeras suspeitas de corrupção e favoritismo que rodearam o seu 1ºmandato.


Conheci Lula em 1989, quando ele se batia com Collor de Melo, nas primeiras eleições livres do Brasil. Fui a São Paulo, entrevistá-lo (para a RTP) numa sede do PT. Lembro-me bem das bandeiras com as estrelas vermelhas, das esfinges do Lenin e de Prestes nas paredes, da voz rouca e gramaticalmente desobediente, do dedo decepado (na mão esquerda) pelo torno mecânico. Lembro-me de ter pensado que aquele tipo nunca seria eleito presidente da república. Faltava-lhe o dinheiro e os compromissos com quem o tem. Enganei-me redondamente. A reeleição de Lula prova que a vida dá muitas voltas, realmente. Ele aprendeu a assumir compromissos com os donos do dinheiro, passou a pentear o cabelo e a vestir paletó (casaco, em brasileiro) e melhorou bastante na gramática. Os donos do dinheiro permitem-lhe a pose, mas não lhe devolveram o dedo decepado na jornada fabril.

17 comentários:

Maite disse...

Caro CN

Estava aqui a pensar numa coisa que ouvi hoje: que a miséria no Brasil não terminará com os subsídios que Lula dá ou virá a dar aos pobres (muito naifzito este homem, ainda, apesar do paletó e outras coisas que tal). É mais uma questão estrutural que falta ao Brasil assim como a Angola e outros países "irmãos" neste género de subdesenvolvimento.

Boa tarde para si

Barão da Tróia II disse...

Concordo inteiramente, tal como esqueçemos que a nossa democracia só tem 30 anos. Boa semana

mfba disse...

Mas felizmente temos democracia e fazemos asneiras; só temos 30 anos e durante 50 ensinaram-nos a não pensar, a deixar andar, e vá lá, vá lá.

Ida disse...

Prezada Maite,

em parte alguma do mundo, a miséria terminará com subsídios. É preciso planos de médio e longo prazo de controle da natalidade, de melhor distribuição de renda e de educação para uma cidadania consciente. Os subsídios não foram inventados pelo Lula, já existem desde o tempo dos militares e olhe que estes últimos entraram no poder quando o lugar do D. Pedro II (neto do vosso D. Joao IV) nem tinha esfriado, 1889.

Não sei exatamente a que se refere quando fala de questão estrutural, mas certamente a do Brasil é muito diferente da de Angola, Moçambique e palops em geral. Não fora por outra razão, aqui não tivemos guerra colonial e, muito antes disso, o rei de Portugal refugiou-se no Rio de Janeiro por uma dezena de anos, trazendo a Biblioteca Nacional (de D. José), fundando a Casa da Moeda, o Jardim Botânico, Escola de Música, e outras tantas "melhorias". O Brasil está, felizmente para os brasileiros e todos que aqui vivem, e infelizmente para os angolanos, muito a frente do subdesenvolvimento de Angola.

É uma questão de dar uma vista d'olhos nas notícias sobre o Brasil e de pegar um avião que vá mais longe do que a Pipa.

Melhores cumprimentos,

Ida disse...

Caro CN,

Tem toda razão no que escreve e traduz à perfeição a angústia de toda a população escolarizada, uma parte da qual votou novamente em Lula, a outra parte preferiu tentar garantir privilégios seguindo o sagrado medo que os brasileiros cultivam de que o pior (seja lá o que isso represente) venha a ocorrer.

Atualmente, estamos tentando nos adaptar a essa coisa, que não se sabe ainda bem o que é, chamada estado democrático. Muita desilusão envolve essa realidade, mas espero que não haja volta possível nesse processo. Temos de aprender que confiança não é algo que os políticos mereçam, o que eles têm que ter, sempre, grande e claro diante dos olhos é a certeza da punição para todo e qualquer deslize. Sei que isso é difícil para um país da América ex-colonizada, ex-militarizada, ex-ditadurizada (acabo de inventar a palavra), mas não esqueço o Bérégovoy e seu suicídio e tenho, lá no fundinho, a esperança de que um dia possamos dizer que podia ter acontecido aqui.

LA disse...

A vida é muito engraçada, cheia de surpresas, principalmente quando há maluquinhos como o Lula que nunca desistem e perseguem os seus sonhos até ao fim. Com pessoas destas, tudo é possível, são elas que abalam as coisas. Tens razão, o Brasil ainda irá crescer muito, e tem um grande potencial.
Espero que a vida te continue a surpreender! Aparece no Barroso para uma alheirinha!
luis

Isabela disse...

Não sei se o dedo decepado não será um símbolo demasiado forte, dos que ajudam a ganhar eleições.
"Aquele homem trabalhou num torno, aquele homem sabe o que é ser como nós."
Mas eu queria que Lula fosse o remédio do Brasil!

Ida disse...

N.B.:O avô do D. Pedro II era D. João VI, não IV... lapsus digitus... sorry!

isabel victor disse...

Espero que o desejado Lula da Silva não se transforme em lula recheada de enganos ! É cá um pressentimento ...

Ana Afonso disse...

Caro Carlos
A nossa é tambem só um bocadinho mais velha ... um bocadinho!!
E sera mesmo mesmo o remedio que o Brasil precisa???
Abraços e sorrisos

inominável disse...

Puxa Idinha! "Não méxi com meu Brasiu não... aí eu viru féra"... Que tal o meu carioquês de base? Demasiado estereotipado??? Parece que para te ler tenho que andar metida com outros... blogues.

LOL

GR disse...

Acreditei no Lula!
Depois vieram as concessões, os acordos, as corrupções, um mais não ter mão nos neo liberais que com ele fizeram as cedências. Cedências que foram só para o seu lado!
Reconheçamos que houve uma melhoria a nível económico e social, sobretudo nas favelas.
Mas a desilusão política, os Sem Terra não a esquecem. O PT, foi arrastado para o domínio duvidoso1
Lula, com a sua política fez desacreditar a esquerda!
Foi para mim, uma grande desilusão.
Contudo, se tivesse que votar nas eleições brasileiras, por certo votaria Lula.
Sabendo que ficaria com grande peso na consciência!


CN
Tem uma experiência de viva profissional riquíssima. Era uma mais valia para todos nós, quando fazia TV. Agora encanto-me a ler o blog, desde o começo do ano (!).
Faz falta, gente profissional e programas lúcidos.
Talvez um dia, o possamos ver novamente!
Talvez!

GR

João Ferreira Dias disse...

sim, mas ele é muito mais pessoa do que isso tudo, amigo. E concordo que se Lula não der certo o mais certo é vir a direita militar.

João Ferreira Dias disse...

é verdade, e que tal reformular-mos o template?melhor do que da 1ª vez.

Ida disse...

Desculpa CN, mas, já agora, uso o teu forum para algumas interações.

Silvia, o teu carioquês tá razoável, tens é de voltar para novo estágio, ou então arranja-me um financiamento dos países desenvolvidos para eu te levar o sotaque em domícilio.
Qto a mexer com o "meu Brasil", apenas gosto de que os fatos sejam conhecidos tais como são, não só os maus, os bons também. Todos temos um lado solar e um lado lunar, homens, mulheres e nações, estas últimas não passam, afinal, de um resultado recursivo da existência e atuação dos outros dois.

Maite disse...

Prezada Ida

O que eu quiz dizer foi: que a corrupção mina qualquer empenhamento na luta pelo direito à igualdade de oportunidades de todos os cidadãos. E que países como o Brasil, Angola e outros têm potencialidade naturais excepcionais das quais apenas uma minoria beneficia.

E obrigada por me recordar um pedaço da nossa história comum :)

Com os melhores cumprimentos

Ida disse...

Olá, Maite,

Agora ficou mais claro o que tinha em mente, obrigada. E, sim, a corrupção mina muitas coisas mesmo, mas havemos de concordar que é uma praga difícil de acabar, enquanto houver homens e poder.

Abraços deste Sulburbio,

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores