Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











quarta-feira, outubro 04, 2006

Pão quente

Já escrevi sobre Renato Kizito aqui e, também, sobre Nairobi. Mas o velho missionário tem uma obra vasta. Hoje, vou falar-vos do Kivuli Center, um abrigo para crianças de rua. É lá onde Kizito mora, num quarto com vista sobre o pátio onde os miúdos brincam no intervalo das aulas. Dezenas de crianças encontram ali uma casa. Não encontram uma família… embora Kizito seja pai e mãe daquela malta.

Renato kizito

Os miúdos têm roupa decente para vestir, têm educação escolar e religiosa, alguns ainda têm a sorte de aprender uma profissão às custas de patrocínios que Kizito procura obter incessantemente. A falta de dinheiro é a maior aflição do missionário. Dar de comer a dezenas de rapazes, vesti-los e calçá-los, manter o edifício de pé e com um mínimo de goteiras possível, custa uma fortuna.


Um dia, Kizito teve uma ideia brilhante. Engatou um amigo de infância, padeiro de profissão, a ir passar uns meses a Nairobi. Já reformado, tempo não faltava ao velho padeiro. Kizito teve o cuidado de o prevenir sobre as condições em Riruta, o bairro degradado onde vive. Mas o amigo foi.
O padeiro italiano ensinou os miúdos mais velhos a fazer pão. Belos cacetes de pão italiano que passaram a ser vendidos à porta do Centro, na rua enlameada. O negócio foi um sucesso. O problema, então, passou a ser como garantir os fornecimentos de farinha e fermento, de modo a não falhar na produção.


Agora, já sabem. Se forem a Nairobi e se vos apetecer pão quentinho e estaladiço, têm de ir a Riruta, um dos imensos bairros de lata de Nairobi. Os carros dificilmente entram nas ruelas do bairro, mas não há que enganar. Terão de caminhar e… seguir o cheiro a pão fresco. Garanto-vos que será uma experiência e tanto.

6 comentários:

Barão da Tróia II disse...

Pena que os Kizitos deste mundo sejam poucos.

Ana Afonso disse...

Caro Carlos
Pena que haja pouco assim não é??
Abraços e sorrisos
ana afonso :)

Maite disse...

Caro CN

Uma história encantadora apesar das condições serem lastimáveis.
(procurarei o pão estaladiço quando for a Nairobi, o que não será tão cedo) :(

Boa noite para si

isabel victor disse...

Pois é ... belo exemplo ! Já que não podemos mudar o mundo, até porque já nos esquecemos como tudo isto começou ... vamos dando a volta ao assunto com o CORAÇãO e muita IMAGINAÇÃO !

Viva o KIZITO e as estórias de humanismo que o Carlos Narciso aqui nos vai deixando ...

Abraço-o c/ mta admiração

Maria disse...

Fantástico, nem sempre o homem é lobo do homem. Ainda se encontram pessoas que dedicam alma e genialidade a pessoas em botão.

Ida disse...

Tinha pensado sobre isto em um dia de pressa, em que passei só para refrescar, vai agora: a foto da criança sozinha, junto à construção com folhas de zinco, é uma das imagens mais bonitas que já vi. Gostava de separar suas fotos por temas, essa criança (assim como outras) certamente estaria na parte que poderia se chamar algo como 'altivez na desvalia' ou outra palavra que m escapa. Ela é tão pequena diante de tudo e se recorta de uma forma tão marcante. Mas talvez não seja só ela, sejam os olhos e as mãos por trás da câmera, sua precisão e o acaso que tudo orquestrou.

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores