Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











domingo, junho 18, 2006

Esta tarde, no Martim Moniz

“Custa 1 euro”, dizia ele, mostrando a capa. Vendia pouco, mas ele parecia mais preocupado em conversar com os “clientes”. Eu comprei. Nunca soube dizer que não aos meus instintos solidários. O que é uma chatice, principalmente quando o mês já vai longo… Mas o boletim nº34 do SOS Racismo vale o euro que o José Falcão me cobrou. O editorial interessou-me bastante. Fala em vários assuntos, o último dos quais aborda a questão das políticas relacionadas com a imigração. Sou português e branco, mas conheço o outro lado da questão. Sei bem como é difícil para um estrangeiro e negro encontrar emprego que não seja balconista de centro comercial ou nas várias serventias, que pode ser a lavar chão ou a carregar baldes de cimento. E é por isso que concordo com o editorialista do referido boletim, quando ele escreve que “para os imigrantes a aquisição da nacionalidade (portuguesa) é apenas uma forma de colmatar as muitas deficiências da cidadania, eles não têm particular interesse em ser portugueses, eles têm sim todo o interesse e necessidade em ser cidadãos de pleno direito”. Falcão lá andava, a vender ideais, esta tarde, no Martim Moniz.

3 comentários:

Cactus Flower disse...

E haverá alguém que tenha particular interesse em ser português? :D

romã disse...

Ao ler este posto lembro-me de duas coisas: a inacreditável história da mulher indiana (?) que vive em portugal há vários anos, é casada com um português e tem filhos nascidos cá e tem emprego e faz descontos e a quem negaram a nacionalidade por não saber o hino ou identificar algumas figuras "relevantes" da cultura portuguesa.
Depois lembro-me ainda do documentário "lisboetas" que vi há uma semana e que me fez olhar com outros olhos para quem vem de fora e procura uma oportunidade aque nesta cidade tão grande e tão indiferente, às vezes, a tudo o que se passa.
Enfim, enquanto acharmos que somos mais que os outros, por sermos brancos e "ocidentais", seremos ainda mais atrasados que eles: os que nos procuram para uma oportunidade tantas vezes negada.

js disse...

em portugal um imigrante ilegal...por nãao ter visto de trabalho ... continua ilegal mesmo depois de se colectar e inscrever na Segurança social...
FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores