Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











terça-feira, fevereiro 24, 2009

Zimler - 2

... "Quando eu cresci, o homossexual tinha que ultrapassar os seus próprio preconceitos. Eu entrei em pânico, pensei: “Estou mais interessado em homens do que em mulheres. O que é que isso signfica? Vou ter que mudar a minha personalidade toda? Deixar de gostar dos Beatles e dos Rolling Stones e passar a gostar mais de Judy Garland?” Não tinha modelos de comportamento com quem pudesse testar a minha personalidade. E depois, nem todas as pessoas estão em posição de assumir a sua homossexualidade sem que isso lhes traga repercussões graves e terríveis na vida. Há jovens que se o dissessem aos pais, seriam corridos de casa. E os políticos portugueses se dissessem: “Tenho uma relação com este homem”, não conseguiriam as posições altas que ambicionam.
- Acha mesmo que haveria essa relação de causa-efeito?
Não sei. Como ninguém o faz, não podemos saber. A homossexualidade só é assunto porque há preconceito. Caso contrário, seria tão banal como ter olhos azuis ou verdes, ser alto ou baixo. Luto para um dia seja assim.Eu não falo da minha sexualidade por mim; falo dela por causa do jovem que vive em Beja e da rapariga que vive em Vila de Conde. Ambos se sentem frágeis devido á sua sexualidade, não conseguem assumi-la porque estão rodeados de pessoas com preconceitos. Têm que viver atrás de uma máscara. É por causa deles que falo, para que entendam que podem ser felizes, realizados, viver com amor, com paixão, com tudo. E que não têm que mudar. É importante que cada um de nós viva como é."

Solidário e corajoso, como não se usa mais por estas bandas. Richard Zimler, em entrevista ao Jornal de Notícias.

2 comentários:

CCF disse...

Gosto imenso dele como escritor. E ào contrário do que às vezes acontece, também gosto muito da pessoa do escritor.
~CC~

Monica disse...

Há poucas semanas, os jornais nacionais faziam manchetes com a nova primeira-ministra da Islândia, realçando que era a primeira lésbica assumida a assumir ( passe a redundância) o cargo. Ninguém realçava o facto da dita senhora ser considerada um dos melhores e mais sérios políticos islandeses. Não me cansei de chamar a atenção para esta demonstração de pequenez mental- de facto, como diz Zimler, realçar a diferença é sinal de preconceito ...

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores