Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











segunda-feira, fevereiro 23, 2009

Comprar português


Fui ao Continente que, aqui na minha terra, se chamava Carrefour até há muito pouco tempo. Apenas para comprar algumas coisas em falta nas prateleiras da dispensa.
Batatas espanholas, farinha Cérelac, da Suíça, assim como os cereais Cherrios. Bolachas Cuétara, de Espanha. Kellogg’s Mini Breaks, da Alemanha. Barras de muesly, espanholas. Cereais Alpen, da Inglaterra. Produtos nacionais, apenas uns burguers de tofu e algas, feitos numa fábrica no Algueirão e salsichas de frango, da Nobre de Rio Maior.
Produzimos cada vez menos e, assim, não vejo como se poderá equilibrar a balança de pagamentos. Um país que não é auto-sustentável corre o risco de se tornar, ele próprio, numa empresa inviável.

2 comentários:

Ralf disse...

Uma aldei na Thailandia reagiu:
http://www.youtube.com/watch?v=b9OsZw5nS_A&eurl=http://briefeankonrad.blogspot.com/

dinheiro próprio.
Portugal deve sair do EURO !
Ralf

Ógnito Inc. disse...

Não lhe querendo tirar razão, foi ao Continente (Português) outrora Carrefour :) Nem tudo está perdido!

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores