Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sábado, fevereiro 17, 2007

O Mundo Perfeito

“Acabou de pousar uma avezinha no beiral da minha janela. Olhou para dentro, bateu com o biquinho no vidro, e eu fiquei tão imóvel como uma estante, esperando vê-la entrar por uma frincha que não deixei aberta. Gostaria de ter a minha casa cheia de aves que entrassem e saíssem livremente, fizessem os ninhos entre os livros, a papelada, nos cantos mais seguros. Gostava que a minha casa fosse um pombal, uma torre de aves que eu ouviria arrulhar e piar de manhã e ao final da tarde.” - in Mundo Perfeito , Eu Fico Com as Aves.


O meu avô materno, que morreu diabético e saudoso das aventuras vividas na América, por onde andou a ajudar a construir caminhos-de-ferro no Massachusetts e a limpar vidraças exteriores nos arranha-céus de Nova Iorque, tinha pássaros soltos em casa. Piriquitos de gaiola aberta, que esvoaçavam dos cortinados para o pescoço dele e lhe debicavam carinhosamente as orelhas.
Quando o velhote morreu, os piriquitos fugiram. Preferiram morrer de fome a sofrer de saudades.
De repente, pensei que se a avezinha da Isabela fosse um dos piriquitos do meu avô, o mundo seria, realmente, perfeito.

7 comentários:

ARMAS disse...

Assim que quiseres, eu ofereço-te um casal de periquitos.
Podes ficar à vontade.

inominável disse...

que bonito... eu sou um pàassaro desses!!!!

isabel victor disse...

É curioso ... também li, há dias, este texto da Isabela (Marcadores: felicidade, liberdade, pureza) e fiquei com vontade de o "desviar", como quem desvia as águas para outras regas, para a seu quintal. Gostei imenso ...

Não partilho do quadro idílico da passarada à solta, porque tenho uma certa alergia ás penas, mas gostei imenso da imagem de LIBERDADE que a Isabela criou e que tu (sr. CN , como diz a Isa)recriaste. Beleza ...

Isabela disse...

Era, de certeza, um dos pássaros do teu avô!

belinha disse...

Por causa da visita da Isabel Victor cheguei até este blog surpreendida por reconhecer um dos nossos bons jornalistas, ou se calhar, um dos únicos que eu consigo identificar,e por isso chamo de bom, não me leve tão a sério no meu elogio...!Li este post atraída pela colagem da ave-eu faço colagens!Também eu gosto de periquitos, tenho-os desde há 25 anos e ainda há um par de semanas comprei um novo, pois morreu o que tinha, deixando a periquita viúva num piadoiro saudoso!,que só terminou quando chegou este, que ela recebeu de braços, perdão, de asas abertas!São aves cheias de personalidade.Eu não as solto, nem as treino.Gosto apenas de as observar tentando intrometer-me o mínimo.Consigo imaginar o seu avô rodeado deles!Tenho a certeza de que eram uma boa companhia!:-)

Su disse...

eu não gosto de pássaros,,,,,mas gosto de voar...........

jocas maradas

Ida disse...

Ai, Carlos, devolves-me (acho q a sincronia existe) um trecho que li ainda ontem, no comboio, do Richard Zimler, em À procura de Sana: "Agitava as mãos no ar como que para apanhar algum pássaro minúsculo que atravessasse a sala. Depois cerrava os punhos, que começavam a vibrar com as pequenas vidas imaginárias a bater dentro deles. Espreitava para as criaturinhas aladas através das fendas dos dedos, abria as mãos com as palmas para cima - como um mágico revelando um tesouro ao público - e liberava-as." A personagem é ainda alguém misterioso, objeto de especulação e deliciosamente volátil como uma encantadora de pássaros invisíveis.

Cada um tem os pássaros que pode ou merece. Sorte tinha o teu avô.

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores