Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











quinta-feira, outubro 29, 2009

Filmes ocultos


A notícia do dia é a constituição de Armando Vara como arguido num processo de corrupção. Pelo que li, Vara terá pedido 10 mil € de luvas em troca de um favor qualquer. Dez mil euros não chegam para comprar um carro decente em 2ªmão… trata-se de um acto sem sentido lógico. Don Corleone não faria uma coisa dessas. Nem Tony Soprano. Deixemo-nos de fitas...
Envolver gestores de bancos com sucateiros, mais política q.b., é uma receita fantástica para entreter o povoléu e minar a honorabilidade dos visados.
Vara tem inimigos persistentes. Reparem só na biografia que um deles publicou na Wikipédia… um enxovalho cínico a coberto do anonimato, de face oculta.

quarta-feira, outubro 28, 2009

5º canal


Ou o governo assume a responsabilidade de encontrar uma solução política para a resolução do imbróglio jurídico que a ERC criou ou nunca iremos ter um 5ºcanal generalista em sinal aberto.
Se bem se lembram (passou meio ano…) a Telecinco interpôs uma providência cautelar na sequência do chumbo da sua candidatura à concessão do novo canal. Tarde e más horas, o tribunal deu razão à Telecinco… a ERC vai, agora, por sua vez, recorrer da decisão. Se os prazos legais continuarem a ser dilatados até ao infinito, o recurso talvez seja julgado ainda este século.
Contentes andarão os barões do meio, sem necessidade de dividirem o bolo por novos parceiros. Descontentes devemos ficar todos nós que continuamos sem novas opções televisivas. Pouco feliz andará também o governo que, assim, não tem como dourar a pílula da introdução da TDT e a obrigação de apagar a emissão analógica dentro de 2 anos. Está-se mesmo a ver que os privados vão começar a argumentar que a adaptação tecnológica é demasiado cara, que o negócio não compensa, que o Estado é que tem de pagar a coisa… enfim, a pedinchice chantagista do costume e em que Balsemão e quejandos são peritos.
Quando inviabilizou o concurso para o 5º canal, a ERC prestou um mau serviço à Nação. E se, por acaso, a Telecinco vencer o recurso, o estado ainda vai ter de abrir os cordões à bolsa numa indemnização milionária que, certamente, os membros da Telecinco não deixarão de exigir.

segunda-feira, outubro 26, 2009

Vozes de burro não chegam ao CEO

Há uns meses, a Prisa anunciou ao Mundo a intenção de despedir uns milhares de trabalhadores. Os espanhóis andaram a comprar tudo o que mexia, amontoaram uma dívida bancária maluca e, agora, não aguentam com o juro…
Entre os milhares que vão ser despedidos, alguns são portugueses e, entre esses, um é um doente com cancro. Alguém que quando se preparava para lutar pela vida se vê na contingência de ter de lutar, também , pela subsistência…
Nem conheço o Pedro Murias. Pela foto, é um rapaz da minha idade. Deve ser um jornalista experiente, alguém capaz de enquadrar os mais jovens, de lhes transmitir conhecimentos vivenciados, de funcionar como filtro de qualidade numa redacção. Se a Media Capital acha que não precisa desse tipo de jornalistas, pior para a empresa. Mas não pode fazer tábua rasa de tudo o mais… e só a ideia de um doente poder ser despedido é algo de insuportável.
Não sei se Juan Luís Cebrian, o CEO da Prisa, sabe do que se está a passar. A ordem de despedir foi dele, por certo. Mas a escolha foi feita aqui, pelos gestores locais. Pode ser que para o senhor Cebrian também seja insuportável a intenção de despedir um doente cancerígeno. Na dúvida, enviei-lhe um email. Façam o mesmo. Para aqui: ceo@prisa.es

Vozes de burro não chegam ao céu, eu sei, mas pode ser que este CEO não seja assim tão castigador.

sábado, outubro 24, 2009

Pesos na consciência



O despedimento do jornalista Pedro Murias, trabalhador da Media Capital, tem provocado uma onda de indignação. O Pedro tem um cancro e os próximos tempos não serão fáceis. Sem emprego serão ainda mais difíceis, porque o dinheiro realmente faz falta, principalmente quando se avizinham contas gordas nos médicos e nas farmácias.
Além do mais trata-se de uma crueldade sem nome e isso diz tudo sobre os mandões que decidem incluir um doente com cancro no rol do despedimento colectivo. Essa gente não sabe esperar…
Esta história trouxe-me à memória uma outra, algo similar… passada na redacção da SIC a meio da década de 90, com o jornalista Celestino Amaral. Durante anos a fio, o Celestino foi um daqueles assalariados sem regalias. Passava recibos verdes regularmente, como se fosse um trabalhador eventual, mas cumpria horário como qualquer outro do Expresso. Um dia foi parar à SIC e pouco tempo depois adoeceu. Só a pedido do Emídio Rangel o Celestino foi integrado nos quadros da SIC, mas a doença galopante mal lhe deu tempo para gozar as regalias inerentes, excepto a da baixa médica. Essa, o Celestino gozou ainda durante uns meses.

Também a Media Capital, embora mantendo o despedimento colectivo, veio agora oferecer ao Pedro um seguro de saúde, para amenizar os problemas financeiros que se adivinham. Mas o despedido não lhes vai retirar o peso da consciência e a oferta foi recusada.

terça-feira, outubro 20, 2009

Questões de Fé

Sempre pensei que as questões de fé, as questões de consciência, não se discutem. Por isso evito entrar neste tipo de querelas que opõem crentes e descrentes. Muitas vezes, deixamo-nos levar pelas emoções e descuramos a racionalidade e acabamos por nos enganar…
Conheci e admirei um homem que se chamava Mário Castrim. Foi um jornalista bastante conhecido no seu tempo, nomeadamente através das crónicas que assinava no há muito extinto Diário de Lisboa. Eram crónicas de sociedade, da sociedade vista através da televisão da época e acredito que não havia um único jornalista de televisão que passasse um dia sem pegar no DL só para ler o Castrim. Acontecia que o Mário Castrim era comunista confesso, militante do PC assumido. Não havia enganos, todos sabíamos que a visão dele era formatada pelas suas convicções políticas. Alguns até lhe puseram a alcunha maldosa de “coxinho das estepes”, porque o Castrim coxeava, de facto. A referência às “estepes” era uma alusão à Sibéria, província da URSS.
Um dia, fui almoçar à residência dos Missionários Combonianos, em Lisboa. Com alguma frequência, esses meus amigos convidavam-me para ir até lá para uns dedos de conversa que eles retribuíam com um almoço despretensioso. Nesse dia, havia outros convidados e um deles era o Mário Castrim. Fiquei a saber que o Mário Castrim era um colaborador antigo da revista missionária Audácia, onde escrevia crónicas para crianças. Foi uma boa surpresa.

E surpreendente é, também, a convicção que mantém Saramago inabalável no seu diletantismo anti-religioso. Tanto mais surpreendente quanto ele se aproxima da morte. Já vi alguns soçobrarem à angústia e, na dúvida, aceitarem a fé dos pais e avós. Saramago não.

segunda-feira, outubro 19, 2009

Do Manual dos Maus Costumes


Dados estatísticos recentes fornecidos pelo Patriarcado de Lisboa mostram que em 2008 houve 3456 matrimónios, menos 4843 do que em 1998. Ou seja, uma queda de 62%. Ou seja, aquilo que há bem pouco tempo era um hábito entranhado na cultura do português médio está a cair em desuso será o casamento religioso um mau costume?

Foi bonita a festa


O Telejornal fez ontem 50 anos. A RTP comemorou a data com muitas imagens de arquivo e algum revivalismo, levando ao estúdio antigos apresentadores do noticiário, exemplo de Manuel Caetano, um dos saneados pós-25 de Abril e irmão do antigo Presidente do Conselho, Marcelo Caetano (sucessor de Salazar).
Treze anos da minha vida profissional foram ali passados e gostei de ver a festa. De algum modo, senti-me parte dela. Também apreciei o facto de não ter notado nenhuma tentativa de reescrever a história. A RTP não se envergonha dos que a serviram nem cultiva preconceitos ou rejeições, o que a SIC (por exemplo) já faz, indexando nomes como se, por exemplo, o nome de Emídio Rangel pudesse ser apagado sem escândalo da história do canal. Mas adiante…

sábado, outubro 17, 2009

Quem nos defende do Estado?


O Estado, que tem o monopólio de todas as violências (é a chamada força da Lei), acaba de agregar mais uma ao rol: a da violação do correio electrónico.
A Lei que permite a intercepção de comunicações na Internet entrou em vigor no passado dia 15. A pretexto de punir quem produza ou difunda vírus informáticos, o Estado pode, agora, ao abrigo da Lei, ler os meus emails.

quinta-feira, outubro 15, 2009

Choque eléctrico


Em 2008, os lucros da EDP alcançaram 1.092 milhões de euros. Repito: 1.092.000.000,00 €.
Foi pouco. Por isso, as tarifas de electricidade vão aumentar 2,9% a partir do final deste ano.
Acho giro, também, só terem anunciado isto uns dias depois de ter terminado o “circo” eleitoral.

Mas que gente horrível...

Hoje, através do Facebook, tomei conhecimento de uma situação inqualificável. Já não bastava que a Media Capital Rádios esteja a despedir pessoal, por razões de mera racionalização de meios. Ou seja, aos investidores não interessa manter o nível da despesa, não é que eles estejam a passar fome ou com problemas financeiros… não. Apenas lhes interessa manter o nível dos proventos e, portanto, quando se torna difícil ganhar mercado, a solução é despedir. Os despedidos que se amanhem. Mas a questão é que a Media Capital não se inibe de despedir mesmo aqueles que mais precisam de ter meios para combater uma doença… e isso já não é só insensibilidade social, é crueldade pura.
No Facebook, na página de Pedro Murias, estava esta mensagem deixada pelo próprio: “Hoje fui notificado pela Media Capital Rádios que estou numa lista para um despedimento colectivo. Adivinho que não sou caso único. Acredito que por esse país fora se aponta a porta da rua a quem está nestas lutas pela vida!”
Pedro Murias tem um cancro.

Mal-me-quer bem-me-quer, muito pouco ou nada...



Quando em Maio o Conselho Regulador da ERC deliberou "reprovar a actuação da TVI”… “por desrespeito de normas ético-legais aplicáveis à actividade jornalística", os membros da Entidade foram acusados, em vários órgãos de comunicação social, de serem serventuários do poder já que, em causa, estavam 13 queixas que, em comum, tinham o facto de acusarem a TVI, nomeadamente o Jornal Nacional de 6ªfeira, de falta de rigor e de isenção em trabalhos jornalísticos sobre a questão do Freeport e que implicavam o primeiro-ministro.
Agora, a ERC vem dizer que a decisão de suspender o referido programa foi um acto ilegal da Administração da empresa que, por lei, não se pode imiscuir nas questões editoriais. Curioso, não é? Tenho de ler o Público, um dia destes…
Na verdade, a lei separa as águas entre actos administrativos e questões editoriais, numa tentativa de salvaguardar a Liberdade de Expressão… coitadita. Mas estas coisas só vêm à tona quando há bronca… Quando não, quem sabe das reuniões regulares do dono da SIC com a estrutura hierárquica da direcção de Informação do canal? Quem reclama por esse controlo eventualmente abusivo e pernicioso?
Ai, Liberdade, Liberdade…

quarta-feira, outubro 14, 2009

Muito económico


Vi hoje na Net, pela 1ª vez, o novo jornal Brasil Económico que a Ongoing (a tal empresa que comprou a TVI) acaba de lançar no Brasil, precisamente. Parece, segundo rezaram algumas crónicas cá do burgo, que se trata de um projecto que José Eduardo Moniz acompanha de perto.
Gostei do grafismo do jornal, tem boas fotos e uma paginação agradável. Tem pouca publicidade formal, digamos assim… porque anda por aí muito “jornalismo” económico que mais não é que serviço de agência de comunicação bem pago. Mas enfim, que saber ler nas entrelinhas.
Procurei a ficha técnica e contei 63 jornalistas. Para um jornal não está mal, isto comparando com a meia dúzia de estagiários imberbes que a mesma Ongoing contratou para o novo Canal Económico que deve estrear no cabo dentro de algumas semanas. Meia dúzia de estagiários, para um canal de televisão que vai emitir 7/7 e 24/24… parece-me manifestamente insuficiente. A não ser que seja a redacção da TVI a tomar conta daquilo…

segunda-feira, outubro 12, 2009

Pecados autárquicos





email de um amigo:





Carlos,





A Junta da Sé de Braga teve maioria absoluta CDU. O cónego Melo deve estar a dar voltas no caixão. CDU perdeu a Marinha Grande, mas por este andar a próxima conquista CDU vai ser Fátima. Amén!!!





José

Traquinices eleitorais

O PS aguentou-se à tona na tormenta eleitoral. Dos três testes eleitorais, apenas foi claramente derrotado nas eleições europeias. Nas legislativas perdeu muitos votos mas ainda assim chegou à frente e vai formar governo e, agora, nas autárquicas, acaba por ser de novo o partido mais votado globalmente.
No PSD, a dona Manuela tem a reforma garantida e apenas falta saber se irá ter tempo para preparar uma sucessão a seu gosto. Falta encontrar um tacho bem remunerado para Pedro Santana Lopes que já não é deputado e que, derrotado, não deverá querer ser um mero vereador (dá muito trabalho e pouco dinheiro!). Afinal de contas, o homem até já foi primeiro-ministro, dignidade que lhe deve dar direito a um lugar nalguma administração de S.A. ou até num banco tutelado pelo Estado.
A República continua a sorrir despudoradamente para tipos como Isaltino e Valentim… mas a invejosa já não foi tão generosa com a Fátima, quem é que entende as mulheres?

sábado, outubro 10, 2009

Livro escondido


mensagem elecrónica de um amigo:


Caros,

Tentei comprar o livro "Um país sob escuta" de A. Garcia Pereira, na FNAC do Allegro (Alfragide) e pasmei... não tinham. Pior, o livro não consta sequer na base de dados da FNAC.Foi necessário convidar o funcionário a fazer uma pesquisa online para lhe provar que o livro existe mesmo... e com aquele nome. Não se trata de um engano meu.

Cumprimentos,

JS

sexta-feira, outubro 09, 2009

Acasos da História


Os desígnios da política são insondáveis, cada vez menos podemos acreditar na aparência dos actos que os políticos praticam.
O meu camarada José Milhazes, correspondente da Agência Lusa em Moscovo, acaba de publicar (saiu hoje mesmo, mas o lançamento não foi notícia num único jornal...) um livro baseado numa investigação que fez aos arquivos da extinta URSS.
Descobriu Milhazes que, nos anos 60, Nikita Krutschev, secretário-geral do Partido Comunista soviético, decide reconhecer Holden Roberto e a FNLA como representantes do povo angolano na luta anti-colonial e que foi Álvaro Cunhal a conseguir, in extremis, emendar a mão de Nikita e levá-lo a proclamar Agostinho Neto como aliado preferencial. Um esforço bem sucedido e que veio a ter consequência na História africana. Ou como as coisas mais extraordinárias acontecem sem que os próprios intervenientes tenham verdadeira consciência disso..

terça-feira, outubro 06, 2009

Jacarés (s)em festa


A SIC fez hoje 17 anos, sem pompa nem circunstância nem orgulho nem muita esperança. Na programação nem se notou e se não fosse um clip comemorativo da efeméride que passou na antena algumas vezes durante o dia, ninguém diria que hoje era suposto haver festa em Carnaxide.
As cerimónias internas resumiram-se a um discurso do patrão, que todos teriam dispensado de boa vontade, ensombrado de resto pelo suícidio de um trabalhador da casa.
Na fotografia exibida, continua a notar-se a ausência da figura de Emídio Rangel, apagado graças a um truque barato de Photoshop. Estaline fez igualzinho.

domingo, outubro 04, 2009

4 Cro-Magnons


Quatro homens Cro-Magnon juntaram-se na beira do rio, perto da foz. Olharam para a água que corria devagar. Grunhiram parcamente e um a um meteram-se na água até à cintura. Estava fria, mas nada demais. Só custou mais naquela fase em que molha pela 1ª vez o baixo ventre… depois passa, um Cro-Magnon habitua-se a tudo. Devagar, caminharam ao longo da margem, tentando perceber onde metiam os pés. Iam virando as pedras que encontravam, tacteavam à volta das mais pesadas. Procuravam comida. Volta e meia viam animais que fugiam à frente dos pés. Peixes pequenos, a maioria. Mas não era aquilo que eles procuravam. Até que um deu um grito, lançou o corpo para dentro de água e voltou com o braço erguido e uma coisa mole e viscosa na mão. Era um animal tentacular que esguichava tinta preta e se agarrava com uns braços surpreendentemente fortes para o tamanho do bicho. Ao fim de algum tempo, cada um deles tinha um bicho daqueles espetado num pau arrancado a uma árvore da margem.
Era tempo de voltarem para as cavernas, onde as fêmeas e as crias os esperavam.
Esta cena podia ter acontecido há 2 milhões de anos, numa época a que os arqueólogos de hoje chamam Paleolítico. O Cro-Magnon é o hominídeo da altura. Foi no Paleolítico que o homem começou a desenvolver os primeiros artefactos, nomeadamente pedras lascadas que utilizavam na caça.
Na verdade, aconteceu esta tarde, com 4 gloriosos maluquinhos a pescar polvos à mão em pleno rio Sado. Os Cro-Magnons nunca souberam o que é um fim-de-semana.

sábado, outubro 03, 2009

Adoro mamas !


Repassem a 10 amigos para que repassem a outros 10 amigos ainda hoje! E assim ajudaremos a manter este site tão importante - http://www.thebreastcancersite.com/
O site do cancro da mama está com problemas pois não tem o número de acessos e cliques necessários para alcançar a quota que lhes permite oferecer UMA mamografia gratuita diariamente a mulheres de baixo rendimento. Demora menos de um segundo ir ao site e clicar na tecla cor-de-rosa que diz 'Campanha da Mamografia Digital Gratuita'.
Não custa nada e é por meio do número diário de pessoas que clicam, que os patrocinadores oferecem a mamografia em troca de publicidade.

quinta-feira, outubro 01, 2009

Ele há coincidências do Diabo


Aguardam-se, agora, reacções veementes e preocupadas pela preservação da Liberdade de expressão. Reúnam a competente Comissão Parlamentar, faça-se ouvir a ERC, cadê os clamores dos pares deste José Manuel?, publiquem as deliberações de todas as comissões políticas, revelem os pensamentos dos maníacos da perseguição. Manela, não vais só para o Inferno, já tens companhia.

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores