Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sexta-feira, janeiro 05, 2007

Trinta

Resumo de uma notícia da Lusa, que talvez apareça um dia destes nos jornais: nas três províncias centrais de Moçambique, Tete, Sofala e Manica, quase não há médicos nem enfermeiros e a taxa de infecção de SIDA é de 30%.
Trinta.
Em Manica, por exemplo, há um médico para 32.379 habitantes.
A notícia foi feita a propósito da recente graduação de 75 técnicos de saúde que vão, agora, tentar minorar os problemas da população.
Isto fez-me lembrar as duas últimas viagens que fiz a Moçambique, em 1999 e 2002, em serviço de reportagem para a SIC. Em 1999 fui, com o Carlos Santos, até ao Chimoio (povoação já perto da fronteira com o Zimbabwe), ouvir o medo dos médicos e dos enfermeiros, também eles contaminados, e perceber como esse medo os inibia de trabalhar. O medo e a falta de meios. A Sida devastava livremente aquela gente e, hoje, o resultado está à vista: 30% da população está doente.
Trinta.

3 comentários:

jmnk disse...

curiosamente em 1999 também estive no Chimoio e também me apercebi do flagelo do VIH SIDA naquela região. Numa "farm" que conheci muitos dos trabalhadores da cultura do tabaco estavam infectados. Os cuidados médicos eram nenhuns. Hoje a situação no Chimoio melhorou um pouco fruto dos "zimbabweanos" brancos expulsos por Mugabe. Com eles veio também algum apoio médico; mas o problema da propagação do vírus permanece

Basílio disse...

Há outro número Trinta... Trinta anos de "independência", vendida pelos que diziam lutar pela sua liberdade.

jpt disse...

a ideia dos cuidados medicos trazidos pelos "farmeiros" eh deveras interessante. Ja agora, eles partiram

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores