Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











quarta-feira, janeiro 17, 2007

Há os bons e os maus

Vista de fora, a Tunísia vive sob uma espécie de ditadura suave (se é que tal coisa existe…), onde alguns partidos políticos são tolerados desde que não perturbem o sono ao presidente Zine El Abidine Ben Ali que, como é bom de ver, chegou ao poder através de um golpe de estado.
O país tem petróleo mas vive à porta do Sahara e, para além de tâmaras, pouco mais se consegue tirar da terra. A riqueza é muito mal distribuída e a pobreza é grande e seria maior, muito maior, se não fosse o turismo. A Tunísia é um destino barato para os europeus. Fica perto, a duas ou três horas de voo da maioria das capitais europeias, é suficientemente exótico, tem muitos monumentos históricos (principalmente romanos) e as praias não são más. Todos os verões, os turistas reanimam a economia dos tunisinos, desde os vendedores de tapetes aos aldrabões que vendem falsas moedas romanas nas ruínas de Cartago.
Dir-se-ia que é um país de paz. Mas, volta e meia, a polícia política de Ben Ali descobre um grupo de alegados terroristas, sócios da Al Qaeda, e mata os que resistem à prisão. É assim que, nos últimos tempos, vários tiroteios têm abalado a pacatez da vida dos tunisinos. De vez em quando, também ocorrem atentados bombistas, como o que fez explodir a velha sinagoga sefardita de Djerba. Na Tunísia existem, de resto, vários locais sagrados para os judeus.
O último grupo desmantelado, um grupo fundamentalista sunita, parece que tinha armazenado explosivos em grande quantidade, mapas com a localização de embaixadas em Tunis e nomes de vários diplomatas, hipotéticos futuros alvos da acção armada deste grupo considerado próximo dos fundamentalistas islâmicos argelinos.
Não sei até que ponto estes alegados fundamentalistas são, realmente, um perigo para a estabilidade da região. Na Tunísia não há liberdade de imprensa e as notícias que saem do país são só as aprovadas pela censura oficial. Só por uma vez estive na Tunísia em trabalho, foi em 1991, durante a I Guerra do Golfo. O Norte de África era, então, considerado a terceira frente de batalha e temia-se que os movimentos fundamentalistas, na época alegadamente aliados de Saddam Hussein, tentassem derrubar os regimes do Magreb, nomeadamente em Marrocos e na Tunísia. Por lá andei, durante uns dois meses, a filmar manifestações anti-ocidentais e a entrevistar líderes fundamentalistas. Em Tunis, consegui chegar à fala com o líder do An-Nahdha, um partido político islamista. Era um tipo gordo, borrado de medo de vir a ser preso. Não me pareceu que fosse um grande perigo, mas quem vê caras não vê corações.
Agora, que volto a ler notícias sobre a repressão que se abate sobre os oposicionistas tunisinos, pergunto-me se a manutenção desta situação algo instável não será uma forma do regime autocrático de Ben Ali conseguir apoios no ocidente, nomeadamente na Europa. Deste modo, os ocidentais vão desculpando a falta de liberdades na Tunísia, a manutenção sem prazo da ditadura, sempre sob a desculpa de que o perigo islâmico espreita e que, do mal o menos, o Ben Ali não nos chateia.

1 comentário:

inominável disse...

... e os vilões!!!! Mas todos "feios, porcos e maus"...

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores