Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











quarta-feira, janeiro 24, 2007

Ryszard Kapuscinski, "o africano"

Ao ouvir a rádio, esta manhã, quando distribuía os meus filhos pelas escolas, ouvi a notícia da morte de Kapuscinski, um estranho polaco que contou África como poucos.
Ryszard Kapuscinski escreveu coisas espantosas sobre os africanos, durante décadas. Correu o continente de lés a lés, sempre atrás das revoluções, golpes de estado e guerras sem fim. Escrevia notícias e escrevia livros.

Os relatos de Kapuscinski levaram-me para o jornalismo e, talvez, para África. A notícia da sua morte só podia recebê-la de outro africano, realmente. Todos nós, africanos, acabamos de perder alguém que admirávamos.
Durante décadas, Kapuscinski escreveu sobre o que viu e sentiu: a exaltação das independências africanas, a esperança no futuro, as desilusões, a amargura das guerras, o tribalismo e o racismo de que os africanos são vítimas e prevaricadores.


Contava histórias de gente simples, do quotidiano das aldeias, de “uma África que não existe”, tal como ele disse.

2 comentários:

VN disse...

E eu soube a noticia por este blog.
No livro Ébano há muitas dessas histórias "simples" do quatidiano, algumas são mesmo fantásticas. Recordo uma sobre a importância do plástico para as mulheres que vão buscar água diariamente, é que o plástico veio aliviar em muito a carga, passaram a usar os leves recepientes de plástico em vez de outros muito mais pesados.

susanavs disse...

As fotografias são fantásticas, os meus parabéns.
Para quem tem África no coração como eu é sempre interessante visitar o seu blog.
Though, a sua escrita é um pouco radical!
susanavs

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores