Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sábado, abril 22, 2006

Israel 1989, na primeira Intifada. Gaza

A entrada em Gaza foi estudada minuciosamente. Com a aproximação do dia 9 de Dezembro, dia do segundo aniversário da Intifada, os israelitas aumentaram o grau de alerta das forças armadas. Multiplicavam-se as barreiras nas estradas e, muitas vezes, não nos deixavam passar, se desconfiavam que poderíamos ir a algum sítio e servir de motivação para mais distúrbios. É verdade que os palestinianos aproveitavam a presença de equipas de televisão para iniciarem desacatos.Nunca nada acontecia, sem que a televisão lá estivesse. Qualquer televisão lhes servia, não precisava de ser a BBC… (ainda não existia CNN).
De modo que decidimos atravessar a Cisjordânia de noite e entrar em Gaza pela madrugada. Usámos apenas estradas secundárias, para evitar o mais possível as barreiras militares. Nessa noite, desabou uma tempestade tremenda. Chovia torrencialmente e o vento soprava gelado. A intempérie ajudou-nos. Os militares israelitas estavam pouco mobilizados para tarefas policiais, ainda por cima à chuva e ao frio…
Quando chegámos a Karni Crossing, assim se chama a “porta” para entrar em Gaza, deviam ser 3 ou 4 da manhã. A escuridão era iluminada por fogueiras que ardiam dentro de bidões. Dirigi o carro em ziguezague, evitando os blocos de cimento colocados no caminho de modo a evitar que alguém pudesse forçar a passagem conduzindo um veículo a alta velocidade. Quando cheguei à cancela, o soldado veio, arrepiado pela molha e pelo vento frio. Olhou para a matrícula e perguntou se queríamos mesmo seguir… disse-lhe que sim e encolheu os ombros. Nem chegou a pedir-nos a identificação… Chegámos à cidade e resolvemos esperar que o sol nascesse. Parámos num largo, onde havia muitas camionetas e uma multidão imensa de vultos. Na escuridão, aquele cenário metia medo. Quem eram aqueles todos? O intérprete explicou que eram trabalhadores palestinianos, a caminho do emprego em território israelita. E explicou que 90% da população activa de Gaza não tem emprego. E que as pessoas não têm outra solução senão ir trabalhar para Israel. E que, assim, os israelitas ganham de duas formas: exploram mão-de-obra barata e sem capacidade reivindicativa e, quando querem pressioná-los politicamente, proíbem a circulação dos trabalhadores, deixando as pessoas sem trabalho e sem salário.
De repente, ficámos rodeados por centenas daqueles tipos. Alguns começaram a abanar o carro. O intérprete gritou com eles. O que quer que lhes tenha dito, foi o suficiente para os acalmar. Também ajudou o facto das camionetas começarem a partir. O nosso problema era que estávamos com um carro de matrícula amarela, a matrícula dos israelitas, e deveríamos ter um carro de matrícula azul, a cor atribuída para as matrículas dos carros dos árabes… de modo que saímos dali rapidamente, escondemos o carro numa garagem da estalagem onde íamos ficar e alugámos um táxi ao dia.

1 comentário:

Sofocleto disse...

Resumindo, os palestinianos vivem em bantustões, tal como acontecia com os negros na África do Sul. Que felizes que se devem sentir!

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores