Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sábado, abril 01, 2006

Israel, 1989 - na primeira Intifada - o guia

Em Lisboa tinha tido uma conversa com Issam Besseiso, o delegado da OLP em Portugal. Pedi-lhe ajuda para me facilitar um contacto com alguém na Cisjordânia que pudesse ser nosso guia. Perguntarão, porquê a opção pela OLP? Que isenção é essa? Resposta: numa terra como aquela, onde as pessoas falam diversas línguas, mas nenhuma acessível, onde nem sequer se consegue ler um letreiro porque os caracteres alfabéticos são gatafunhos incompreensíveis, é obrigatório ter alguém que nos leve aos sítios, que nos traduza as conversas, que saiba ler o jornal. Num conflito como o israelo-árabe, não vale a pena ter a esperança de encontrar alguém isento, um guia que não esteja comprometido com um dos lados em conflito. Assim, é essencial optar. A opção é uma escolha política? É. Mas, também, deve ser uma escolha ponderada em termos pragmáticos. Quem nos dará a melhor história? O mais forte ou o mais fraco? Eu acho que é sempre o mais fraco, o que mais sofre, o que vive no lamaçal, o que representa o papel do oprimido… por isso escolhi ter um guia da OLP. Antes de apanhar o avião para Ben Gurion, o delegado da OLP garantiu-me que alguém iria ter comigo. Em algum sítio, no hotel, na rua, num restaurante, alguém nos iria abordar e estabelecer o contacto. Quem, ele não sabia. Alguém. Que podia ir descansado.
Nos primeiros três dias, em Jerusalém, ocupámos o tempo com as burocracias inerentes à credenciação, fomos entrevistados por um funcionário governamental, tivemos que assinar um documento em que nos comprometíamos a submeter todas as imagens gravadas à censura militar. Dissemos que sim a tudo, querendo dizer não. E esperávamos que, nalgum sítio, em alguma altura, alguém da OLP estabelecesse o contacto prometido. Durante três dias, nada aconteceu. Mas ao terceiro dia, estávamos na Porta dos Leões da Cidade Velha a filmar banalidades do quotidiano, quando um tipo meteu conversa connosco, queria saber se estávamos interessados num guia árabe… seria aquele o tal contacto da OLP? Como ter a certeza? Há coisas impossíveis de perguntar… o tipo até podia ser um polícia israelita… Respondemos que sim, enfim, talvez, que íamos pensar, amanhã daríamos uma resposta. Como mais ninguém apareceu, decidi arriscar e aceitar aquele gajo como nosso guia. Se era ou não da OLP, jamais saberei. Ele dizia que sim… e funcionou como tal.

6 comentários:

Caiê disse...

Ainda não fui a Israel. Temo o que vou encontrar. Sei que o estado de Israel, como é hoje, não é nem nunca poderá ser a Terra Prometida e, por isso, não sei se o quero ver assim, comandado por forças exteriores a ele e cheio de guerra. Por outro lado, tenho de ir lá, um dia. E é, para mim, indiferente os homens que vou encontrar. Todos temos o sangue vermelho e as mesmas dores.
A minha avó dizia: D-us é sempre o mesmo, são os homens que o complicam e lhe dão nomes diferentes.

dakidali disse...

Vim ler e desejar um bom fim de semana.
Beijinhos

FSilva disse...

Cantinho muito interessante e informativo.

Bom fim de semana

zecadanau disse...

Estas crónicas são cativantes.

Um abração do
Zeca da Nau

Bajoulo disse...

"Se os Canibais começarem a comer de faca e garfo, será que isso é Evolução, para o George? - Quitéria Barbuda in "Pensamento da Esquerda", Revista "Espírito", nº 31, 2006.

www.quiteriabarbuda.com.sapo.pt

Bajoulo disse...

"Há 6 meses cinco militantes mascarados do hamas assassinaram uma jovem recém-casada que voltava a casa da praia, onde tinha passeado de mão dada com o marido, acto considerado de provocação obscena. São estes os amigos da Esquerda e do Luís Rainha". - Quitéria Barbuda in "O Mal", Revista "Espírito", nº 24, 2006.

www.riapa.pt.to

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores