Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











segunda-feira, março 12, 2007

Será eco?



José Pacheco Pereira, ex-deputado do PSD, comentador assalariado da SIC, confessou no passado sábado, no Público, o desejo de ver a RTP desaparecer. Diz ele que “o país ficava muito melhor sem televisão pública” e que “não há nada que a RTP hoje faça, mesmo como instrumento de política externa, que se não possa contratualizar com as privadas”.
Realmente, seria uma boa ideia o Estado pagar à SIC ou à TVI o serviço público. Era mais uma fonte de rendimentos para Balsemão e outros que tais, matava-se o problema da divisão da publicidade que a existência da RTP provoca e, então sim, a sustentabilidade das privadas estaria assegurada ad eternum. Pacheco Pereira deve ter tirado da boca de Balsemão tais palavras.
Diz ele, ainda, que a RTP sempre serviu os regimes instalados. Pois serviu. Serviu a ditadura (que remédio…) e serve, agora, o regime democrático. A RTP serve de bitola para que as privadas não descambem na vulgaridade absoluta e na indigência total quanto à qualidade da programação. Sem a RTP, a tabloidização da pantalha seria inevitável. Mas isso não interessa nada, pois não, Pacheco Pereira? Sem a RTP, quem garante que uma televisão como a SIC, por exemplo, controlada pelo militante nº1 do PSD, não iria servir os interesses instalados no seu interior?
Por último, achei curioso verificar que Pacheco Pereira conhece bem como se monta o controlo sobre um canal de televisão: “tudo isto se faz sem qualquer conspiração, ou telefone directo, ou instrução ou ordem, mas em primeiro lugar pela escolha para os lugares-chaves de pessoas confiáveis”. Pois é assim mesmo que se faz, confirmo eu. Mas também é assim que se faz nas privadas. Rigorosamente da mesma maneira. E, além disso, convém lembrar, já agora, que tanto a actual administração da RTP como a quase totalidade da sua estrutura hierárquica, foram nomeadas no tempo do governo do… PSD.

8 comentários:

AGRIDOCE disse...

Apenas isto para este texto: 5 estrelas!

LA disse...

O ti Pacheco das Pereiras devia ir dizer isso também aos ingleses: "Ó pás, acabai lá com as BBC's, deixai isso para as privadas!".
Parece que agora as privatizações são o milagre para tudo...
O ti Pacheco, o nosso grande timoneiro do pensamento, parece-me que anda um bocado passado!

MCA disse...

Obrigada pela visita. Tinha acabado de por o post sobre a Elis, quando voltei vi que tinha um comentário. Já?!? disse pra mim. Ainda não o tinha visto pela BdJ. Volte sempre.

Luis Eme disse...

Li este texto e pensei mais ou menos o mesmo, que o Carlos.

Este comentador "renascentista" (é um "sabão" tal como o professor Martelo), especialista em nadar contra a corrente, fala com a autoridade de quem devia realmente ser livre e independente.

Pobre coitado, mete pena, está sempre a esquecer-se do rabo de palha...

-pirata-vermelho- disse...

O PP ensandeceu ou é determinismo do acrónimo?
Antigamente era só Parvo-do-Porsche! Depois das sucessivas aplicações não sei se passou também a englobar... DESCULPE!


('tou á'bandalhar o espaço, não é?)

Sónia disse...

Pois. E dois deles até já foram homens chave... na SIC.

Barão da Tróia II disse...

O que acho verdadeiramente incrivel é que haja gente que perca tempo a ouvir semelhantes criaturas, sim porque dar ouvidos a tal semelha de aventesmas é perder tempo e esse como bem sabemos é precioso. Boa semana

inominável disse...

este Pacheco tem cada ideia achacada... é o verdadeiro timoneiro à l'envers...

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores