Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











terça-feira, julho 25, 2006

TSF, até ao fim da rua...

O Largo do Chafariz é uma espécie de porta para Alfama. É lá que está o grande mural em mosaico que garante que “Alfama é fácil de amar”. Frase de duplo sentido…
Afixado na parede da Junta de Freguesia, um papel convite aos moradores do bairro para participarem nas reuniões onde se discute a reabilitação urbanística do bairro.Do Largo do Chafariz partem várias ruas bairro acima. Optei pela rua de São Pedro. Por ali, havia muitos prédios degradados. Adivinhava-se o avanço das obras coercivas Alfama dentro. Fiquei encurralado no Beco do Azinhal. Tive de dar meia volta, mas antes admirei a imensa árvore-da-borracha que ganhou ali raízes. Um “cheirinho” a Brasil que até fica bem em Alfama.
Taverna D`El Rey, Esquina de Alfama… o bairro está cheio de restaurantes típicos e casas de fado. Tudo fechado aquela hora da madrugada. Às 6 da manhã, Alfama dorme o 1ºsono…Continuei a caminhar pelas ruelas estreitas. Em algumas, de braços abertos tocava nas paredes dos dois lados da rua. Procurava gente, mas não encontrava… embora não faltassem sinais de vida: cuecas e peúgas penduradas nas janelas… miados de gato…E, de repente, uma senhora. “Boa noite”, em tom sereno para não assustar a senhora. “Só lhe queria perguntar que encanto tem viver nestas ruas velhas…”. Maria de Fátima parou, reparou nas letras do microfone a dizer TSF e disse: “Óh filho, deixa-me mas é passar que tenho de apanhar o transporte para a Duque de Loulé!”
Maria de Fátima lá foi à vida, limpar casas nas avenidas novas. Alfama, para que vos quero…

4 comentários:

augustoM disse...

Só quem nunca viajou, poderá não saber como é conservar a memória do passado,e ver como os nossos governantes em nada se preocupam, com essa memória.
Essa viajem de veleiro fez-me crescer água na boca, também sou marinheiro de alma e coração. Para quando o relato do diário de bordo?
Um abraço. Augusto

Denudado disse...

Adoro Alfama. É o meu bairro preferido em Lisboa. Lembro-me de que há poucos anos ainda, no Beco do Carneiro, os telhados de duas casas fronteiras se tocavam, tão estreito era o beco! Dava até a impressão de que os prédios se amparavam mutuamente para não se desmoronarem. Depois demoliram um dos prédios, o outro não se desmoronou e o Beco do Carneiro perdeu completamente a graça.

O Largo do Chafariz que refere no seu texto tem o nome completo de Largo do Chafariz de Dentro. Sempre me perguntei qual seria o chafariz de fora; seria o imponente Chafariz de El-Rei? Alguém me saberá responder?

Aprendiz Maçon disse...

Alfama, bairro tipico de lisboa, berço alfacinha.Muitas vezes me perdi por becos e vielas, sentindo os cheiros desta Lisboa.Perdido, encontro-me, olhando velhas casas e peixeiras, vendo os putos a correr.Ai Alfama!

Isabela disse...

Pois, pois, o encanto, etc. Tiveste sorte de ela não te dizer "havias de morar cá para ver o encanto, ó franciú".
Eu também vejo alguns amigos todos fascinados com Alfama, "ai, se eu tivesse uma casa aqui..." Quanto a mim, arrepio-me, quando vejo as janelas a metro e meio umas das outras. Para passear, desde que não cheiro muito a mijo, ainda vá lá.

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores