Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sexta-feira, maio 26, 2006

Farmácias

O governo acaba de anunciar o fim do monopólio da propriedade das farmácias. Finalmente!
Um a um, os privilégios corporativos salazaristas estão a chegar ao fim. Os argumentos de Sócrates não podiam ser mais consensuais. Por que diabo haviam os farmacêuticos de ter a exclusividade da propriedade das farmácias? Por acaso, as escolas têm de ser propriedade de professores? As clínicas têm de ser propriedade de médicos? Os jornais são dos jornalistas? A TAP é dos pilotos?

8 comentários:

Cãocompulgas disse...

- E o governo é de todos os portugueses?

- Não. E ainda bem!

dorean paxorales disse...

É o início do franchising farmacêutico, das cadeias de supermercados de drogas, das garrafas de 500g de aspirina ao melhor estilo americano.
É o despontar de mais uma fonte de corrupções municipais: na melhor tradição autárquica nacional, não haverá abertura à qual não seja dado licenciamento, sem ter em conta o peso ou dimensão do concelho nem a existência de actuais farmácias.

É por isso, também, o fim da farmácia de proximidade, do atendimento personalizado e da compra-venda responsável.

125_azul disse...

Ai, ai, ai, o que vem por aí...

Cãocompulgas disse...

O atendimento personalizado q a uns vende os medicamentos q obrigam a apresentação de receita sem ela e a outros não? A farmácia de proximidade não acaba. Acaba é o "cunhismo" na obtenção da licença para possuir uma farmácia... e isto incomoda...

Ainda bem q os Cunhas, os Câmaras e parentela não são donos do governo. Ou então nada mudaria... a família não deixava...

SIPO disse...

Coragem para enfrentar este 'império' de facto não falta... resta saber se o governo fai fazer «orelhas moucas» à pressão do 'lobby' farmacêutico que virá a seguir!

Mário de Sá Peliteiro disse...

Nunca haverá liberalização da propriedade da Farmácia enquanto houver concursos, enquanto não abrirem muitas.
Santa ingenuidade. É só folclore.

planaltobie disse...

Não só deviam acabar com o monopólio, como deviam incentivar a venda de medicamentos nas gazolineiras, supermercados, kiosques, banca de jornais,paragem de autocarros. A saúde é um negócio, qual responsabilidade, qual carapuça! À conta disso deve o estado milhões. 80% da medicação que é receitada é excessiva. Vejam em vossas casas, a quantidade de porcarias que compramos.

dorean paxorales disse...

Caro Mário de Sá Peliteiro,

Abrirem muitas nao me preocupa; abrirem poucas e grandes, sim. Se a tentacao de favorecimento em concursos ja' e' grande agora, nao e' dificil imaginar como sera' depois.

Em todo o caso, espero que o seu optimismo se confirme.

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores