Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











sexta-feira, janeiro 20, 2006

Castro Laboreiro, 1984 - oração aos cães

Cheguei a Castro Laboreiro morto de frio. E assim fiquei durante os 8 dias que durou aquele trabalho. O frio, de rachar, contrariou-se com aguardente de maçã. De hora a hora, lá ia um copinho… aquilo a que hoje chamaríamos “shot”. Bebi muitos, como é bom de ver. Em Dezembro, lá no alto da montanha, repito, o frio é de morrer…

A aldeia fascinou-me. Pedregosa, mergulhada em neve, gelo e nevoeiro. Era um ambiente em tons de cinzento. Só tinha mulheres, baixinhas, sempre vestidas de negro, saíam à rua com um manto que lhes envolvia a cabeça e protegia o corpo do frio. Não havia mulher que não trouxesse um cão à ilharga. O cão de Castro Laboreiro é um bicho grande, escuro, de olhos amarelos. Mete medo. Talvez por isso as mulheres não dispensavam a companhia do seu, naqueles dias em que a aldeia foi invadida por um grupo de estranhos, que filmavam e fotografavam sem sentido aparente.
Pois, o que me levou até lá foram, precisamente, aqueles cães. Fiz uma reportagem sobre cães de raça portuguesa e o cão de Castro Laboreiro é um dos mais emblemáticos. É uma raça muito antiga, morfologicamente próxima do lobo. Os olhos amarelos e os dedos das patas virados para a frente não enganam… contudo, revela-se um animal meigo, pelo menos para os donos. As gentes de Castro Laboreiro usam o cão para guardar o gado. No Inverno, o cão encarrega-se disso sem necessidade de companhia humana. O rebanho de cabras fica-lhe entregue. Penso que será o único cão de guarda que faz este trabalho assim, sem ajuda do homem.


Na aldeia, durante a semana, só havia mulheres. Os homens trabalhavam longe e, quanto muito, iam a casa ao fim-de-semana. Mas a maioria nem isso. Muitos andavam pela França. O único homem que ficava era o padre Aníbal. Este padre tinha um forte sentido de protecção em relação à sua aldeia e à paróquia. Era um amante da arqueologia local. Não se cansou de nos levar a ver as pontes romanas, o castelo do século XII, os dólmenes, as pinturas rupestres. De facto, Castro Laboreiro é um sítio fascinante. Mas defendia, acima de tudo, a arqueologia viva que é o cão de Castro Laboreiro. Cheguei a ver o padre a apedrejar cães vadios, abandonados pelos caçadores, que se refugiavam na aldeia durante o Inverno à procura de calor e comida. O problema desses cães é que montavam as cadelas de Castro Laboreiro e, assim, abastardavam a raça. Por esse pecado, eram apedrejados impiedosamente…

3 comentários:

rm disse...

Enfim, um sacerdote a assegurar a pureza dos canídeos. Bem haja :-)
Bom fds

Isabela disse...

Esta história é muito simples, e muito bonita. Eu conseguia fazer uma curta-metragem com este relato. SE soubesse fazê-las, claro. Mas consigo imaginar o filme. Visualizar.
E com todo o respeito pela pureza da raça dos Castro Laboreiro, tenho cá um medo de raças puras!

jppeixoto disse...

Conheci o Padre Aníbal, era uma espécie de "missionário cultural" tentando incutir um certo respeito pela história daquelas pedras graníticas... é certo que exagerava sempre um pouco (para ele era quase tudo romano!...) mas isso era o mal menor pois acima de tudo era uma boa companhia.
Também colaborei com ele nessa "missão" de perservação cultural e conheci bem aquele lugar e aquelas gentes descendentes de degredados que para ali eram enviados pelos tribunais do Estado para cumprir sentenças - as Terras do Fim do Mundo. Manoel de Oliveira também andou por lá filmando Marcello Mastroiani numa das suas ultimas aparições... Havia uma foto orgulhosamente pendurada na parede do restaurante ao fundo da recta da estrada que acaba em mirante panorâmico sobre o vale do Laboreiro...

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores