Memórias de muitos anos de reportagens. Reflexões sobre o presente. Saudades das redacções. Histórias.
Hakuna mkate kwa freaks.











segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Sarajevo, 1994 - cemitérios

A primeira vítima oficial do cerco de Sarajevo foi Suada Dilberovic, uma estudante de medicina, abatida por um sniper em 5 de Abril de 1992. A última vítima foi Maja Dovik, morta nos primeiros dias de Outubro de 1995… as duas eram mulheres e civis, factos que estão para além da mera coincidência.. é que foram civis os principais alvos do cerco à cidade.
A cidade foi transformada num gigantesco cemitério. Havia campas por todo o lado. Em todos os jardins, grandes ou pequenos, havia corpos enterrados. Os campos de futebol foram transformados em cemitérios. O complexo olímpico também… Olhar para aquele mar de campas dava a ideia de que já todos teriam morrido…
Podia-se contar a história daquela guerra através das lápides mortuárias. Nomes e datas. Datas de nascimento e de morte. Morreram quase todos demasiado cedo. Tantas crianças. Tantas Majas e Suadas…
Os snipers vigiavam atentamente todos os locais de provável concentração popular. Os cemitérios eram um desses locais. Havia sempre grupos, mais ou menos numerosos, nos funerais. Disparar contra cortejos fúnebres eram comum… muitos morreram nessas circunstâncias. Era bizarro ver os serviços fúnebres serem feitos tendo em conta o provável ângulo de visão dos snipers escondidos nos telhados de alguns edifícios…
Uma manhã, no exterior do Estádio Olímpico, estávamos a filmar aquele mar de campas quando sentimos três balas “assobiar”… não se ouviram os disparos, provavelmente abafados pela distância. Não sei se o sniper falhou por inépcia se apenas nos quis assustar. Mas assustou bastante. Eu e o Vítor Caldas ficámos sentados, protegidos pelas lápides das campas, durante bastante tempo, até termos nervo para voltarmos a caminhar em campo aberto. Mais tarde, na montagem, o “assobio” das balas era bem audível…

2 comentários:

Sony Hari disse...

"Olhar para aquele mar de campas dava a ideia de que já todos teriam morrido…"
Carlos, este pedaço de texto foi uma imagem muito mais forte do que a própria fotografia. Afinal, nem sempre a imagem vale pelas mil palavras ...

Manel do Montado disse...

Sabe Carlos, um bom sniper tem sempre em conta as componentes atmosféricas. Se não ouviu os tiros foi porque foram disparados a grande distância ou com silenciador...estava vento nesse dia, a temperatura era acima dos 22 graus ou abaixo dos 8? E a humidade do ar?
Abraço

AddThis

Bookmark and Share

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Jornalista; Licenciado em Relações Internacionais; Mestrando em Novos Média

Seguidores